Tumores Ginecológicos

Colo uterino

Dentro dos tumores ginecológicos, os mais incidentes são os que ocorrem no colo uterino, endométrio e ovários. O câncer do colo do útero está associado à infecção persistente pelo HPV (papilomavírus humano). Estima-se que aproximadamente 80% das mulheres sexualmente ativas irão contraí-lo ao longo de suas vidas. Além do vírus, fatores relacionados à genética, imunidade e ao comportamento sexual podem influenciar mecanismos ainda desconhecidos que determinam a evolução da infecção e a progressão para lesões que podem levar ao surgimento do câncer. Fatores como hábito de fumar, início precoce da vida sexual, promiscuidade, multiparidade e o uso de contraceptivos orais são considerados condições de maior risco para o surgimento da neoplasia do colo do útero.

Desta forma, justifica-se o rastreamento do câncer do colo do útero, que é realizado através do exame citopatológico (exame de Papanicolaou), cuja indicação se reserva às mulheres na faixa etária de 25 a 64 anos e que já tiveram atividade sexual. Sua repetição deve ser praticada a cada três anos, após dois exames normais consecutivos realizados com intervalo de um ano, conforme recomendação da OMS.

Endométrio

Já o câncer de endométrio tem suas bases em fatores relacionados à exposição hormonal e metabolismo, o que se explica pelo aumento de seu risco em situações de hiperglicemia, diabetes mellitus e excesso de gordura corporal, bem como no uso de terapia de reposição hormonal, menopausa tardia e nuliparidade (nunca ter engravidado). O sintoma mais comumente associado a esta doença é o sangramento vaginal atípico, seja em mulheres já menopausas ou quando o mesmo ocorre de forma mais intensa do que o habitual.

Ovários

Por último, a neoplasia de ovário consiste na segunda mais frequente dentre os tumores ginecológicos, perdendo apenas para o câncer de colo uterino. Tem sua incidência aumentada com o avançar da idade e podem estar relacionadas à história familiar, obesidade e fatores genéticos. Sintomas como dor, aumento do volume abdominal e maior gasto do que obtenção de calorias podem ser os primeiros a aparecer. Manter o peso ideal com uma alimentação saudável pode ajudar a evitar esta doença.

O tratamento dos tumores ginecológicos pode apresentar diversas abordagens, sendo a cirurgia, a quimioterapia e a radioterapia as principais. Situações especiais podem exigir condutas específicas, por exemplo o uso de quimioterapia intraperitoneal no caso de tumores ovarianos, ou modalidades particulares de radioterapia como a braquiterapia em câncer de colo uterino.

Outros tratamentos

Câncer de próstata

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor…

Câncer de mama

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor…