Tumores TGI e Hepatobiliar

Tumores do estômago, cólon e reto, pâncreas, fígado, vias biliares, intestino delgado, cólon e reto

Os tumores gastrointestinais e hepatobiliares compreendem esôfago, estômago, pâncreas, fígado, vias biliares, intestino delgado, cólon e reto. No Brasil, o câncer de estômago é o terceiro tipo mais comum entre os homens e o quinto entre as mulheres. Já a neoplasia de esôfago é a oitava mais frequente no mundo e a incidência na população masculina é cerca de duas vezes maior do que na feminina. Pelo fato de ser de difícil identificação e ter comportamento agressivo, o câncer de pâncreas apresenta alta taxa de mortalidade, em virtude do diagnóstico tardio. Já os tumores colorretais tem estimativa bastante semelhante entre homens e mulheres, sendo esperados 41.010 novos casos da doença no Brasil para cada ano do triênio 2020/2022 conforme publicação do INCA.

Estes tipos de neoplasias compartilham alguns dos fatores de risco, em especial o tabagismo, consumo de bebida alcoólica, sedentarismo e alimentação rica em carne vermelha e alimentos processados. O consumo de bebidas muito quentes aumenta o risco de câncer de esôfago, enquanto ser portador de diabetes mellitus pode aumentar as chances de desenvolver um tumor maligno no pâncreas. Existem ainda agentes oportunistas, como o vírus da hepatite B e C, que podem levar ao hepatocarcinoma.

Muitas são as modalidades terapêuticas implicadas no tratamento destas neoplasias, que variam desde procedimentos convencionais como cirurgias, radioterapia e quimioterapia até tratamentos mais modernos, como terapia alvo e imunoterapia. Terapias locorregionais, como ablação, também podem ser utilizadas.

Medidas de rastreamento podem eventualmente ser indicadas, como recomendado pela Organização Mundial da Saúde aos indivíduos acima de 50 anos o exame de sangue oculto de fezes para detecção precoce de câncer colorretal. Em caso de positividade, os pacientes devem ser encaminhados para realização de colonoscopia ou retossigmoidoscopia, cujo objetivo é visualizar o intestino buscando pólipos que possam vir a se transformar em câncer ou o tumor propriamente dito. Também é importante enfatizar a prática de medidas preventivas, como realização de atividade física regular, alimentação saudável e evitar hábitos nocivos como tabagismo e etilismo.

Outros tratamentos

Tumores Ginecológicos

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor…

Oncogenética

O que é oncogenética? É a área dedicada ao estudo de aspectos moleculares,…